Portuguese Translations of my Epigrams and Recent Articles

Murilo Leme* kindly translated some of my recent epigrams and articles into Portuguese. I think some of the one-liners sound better with the Latin overtones of his language.

I much appreciate his making my writings accessible to folks in Brazil, Portugal, and even Mozambique. If you know folks who would appreciate this Portuguse rendition, please forward the link and/or text.
[* full name: Murilo Otávio Rodrigues Paes Leme – zqjxkv@gmail.com ]

——————————————————————————-
Epigramas de Democracia de Déficit de Atenção por James Bovard (Palgrave, 2006)

Os estadunidenses têm empregado muito maior esforço em disseminar a democracia do que em compreendê-la.

A democracia moderna é muito mais eficaz para dar rédea solta ao governo do que para proteger as pessoas enquanto indivíduos.

Quando as pessoas assumem cegamente que seus líderes são dignos de confiança, sai ganhando é quem mente mais.

Em vez de democracia, temos, cada vez mais, uma ditadura eletiva. As pessoas só têm o direito de escolher quem violará as leis e a Constituição.

Em vez de revelar a “vontade do povo,” os resultados das eleições são, amiúde, apenas instantâneos retratando um dia nas ilusões mutáveis das massas.

As maiores fraudes eleitorais ocorrem antes de as cabines de votação se abrirem.

Um governo democrático que não respeita os limites de seu próprio poder é uma bomba-relógio esperando para destruir os direitos para a proteção dos quais foi criado.

O Leviatã assenta-se na premissa de ser necessário o governo controlar as pessoas. A democracia assenta-se no direito do povo de controlar o governo. O conflito entre esses dois princípios gera muito da velhacaria que permeia a política contemporânea.

Os debates a respeito de políticas em Washington são, a miúdo, como um julgamento criminal no qual todas as provas das ofensas passadas do réu são consideradas não aceitáveis para apresentação no tribunal.

Os Estados Unidos estão-se tornando uma democracia de joelhos chacoalhantes, testas suando, e pessoas que pulam sobressaltadas ao ouvir qualquer som.

Medos infundados podem produzir servidão real.

Devido à Síndrome do Cidadão Acostumado a Ficar por Baixo – Battered Citizen Syndrome, quanto mais besteiras o governo faz, mais fortemente os eleitores se agarram a seus governantes.

Quanto mais medos o governo espalha, menos pessoas atentam para o perigo representado pelo próprio governo.

Os estadunidenses não podem esperar ter bons presidentes enquanto for permitido aos presidentes transformarem-se em czares.

Ser coroado vencedor no Colégio Eleitoral não dá a um estadunidense o direito de dispor da vida e da liberdade de todos os outros estadunidenses.

Enquanto os governantes estiverem acima da lei, os cidadãos terão o mesmo tipo de liberdade que os escravos tinham quando seus donos optavam por não espancá-los.

Desde que os presidentes estadunidenses glorifiquem a liberdade, é-lhes permitido açambarcar tanto poder quanto desejarem.

A democracia é apenas uma forma de governo. Não é um antibiótico capaz de curar todas as doenças politicamente transmissíveis.

A democracia desembesta o Estado em nome do povo.

Quanto maior se torna o governo, mais votos consegue comprar.

Quanto mais se considera a democracia como algo inevitável, mais provável se torna que ela se destrua a si própria.

É muito mais fácil baixar o poder dos políticos do que elevar o caráter deles.

São os estadunidenses livres simplesmente por terem permissão para a escolha perfunctória de quem molestará seus direitos e sua liberdade?

A Democracia de Déficit de Atenção produz as atitudes, a ignorância e a arrogância que pavimentam o caminho para o colapso político.

+++
A SAÚDE DO ESTADO 9 de março de 2009, American Conservative
por James Bovard
** O Plano do Presidente para O Histórico Médico de Vocês

A computadorização dos prontuários pessoais de saúde é um dos pontos altos do novo projeto de lei de estímulo. O Presidente Obama prometeu: “Faremos os investimentos imediatos necessários para assegurar que, dentro de cinco anos, todos os prontuários médicos dos Estados Unidos estejam computarizados.” O Congresso pagou $19 biliões para subsidiar a digitalização de arquivos de pacientes e criação de sistemas de rastreamento eletrônico de cuidados de saúde. O objetivo último é “a utilização, até 2014, de um prontuário de saúde eletrônico oficialmente certificado para toda pessoa nos Estados Unidos.”

Imbricado num projeto de lei de 1400 páginas aprovado em clima de pânico, o plano, em grande parte, ficou sem ser debatido. As implicações dele, entretanto, são pavorosas. Os médicos serão forçados a participar de um esquema federal maciço de saúde, e o governo funcionará como malvedado repositório das informações mais íntimas dos pacientes. Abelhuda de maneira muito parecida com a da Lei Patriota – Patriot Act, essa medida intromete-se em nível muito mais pessoal. Nenhum paciente é deixado para trás — ou em paz.

O presidente promete que a computadorização dos prontuários médicos “diminuirá a burocracia, evitará equívocos médicos, e ajudará a economizar biliões de dólares por ano.” Na verdade, porém, a ordem oficial federal provavelmente destruirá o progresso que atualmente se verifica em termos de esforços voluntários de computadorização de prontuários com asseguração de confidencialidade e controle individual dos dados relativos a saúde.

Na situação atual, menos de 20 por cento dos médicos do país entraram de maneira plena na computadorização. O plano de Obama oferece entre $44 000 e $64 000 dólares a médicos que computadorizem os prontuários dos pacientes e até $11 milhões de dólares por hospital. “No lado punitivo da equação,” informou o Wall Street Journal, “a medida inclui penalidades relacionadas com os pagamentos do Programa de Assistência Médica para Carentes – Medicaid para médicos e hospitais que não estejam usando prontuários de saúde eletrônicos em 2014.” Se os prontuários forem digitalizados às custas do governo federal, será muito mais fácil para os políticos requererem a informação resultante.

Entretanto, os federais não dispõem de soluções tecnológicas que resolvam o problema para distribuição aos médicos de todo o país. David Kibbe, assessor de alto nível de tecnologia da Academia Estadunidense de Médicos da Família – Ameriican Academy of Family Physicians, advertiu Obama, numa carta aberta no ano passado, de que o software médico existente é amiúde mal planejado e faz péssimo trabalho quando se trata de trocar informações. Kibbe declarou: “Se os consultórios dos médicos estadunidenses subitamente corressem a instalar os sistemas de sua escolha, isso apenas intensificaria dramaticamente a Babel que já existe.”

Marc Roberts, professor de economia política e políticas de saúde de Harvard, observa: “Muitos sistemas de saúde estão agora intencionalmente construindo sistemas de prontuários médicos não estandardizados e não compatíveis, de tal sorte que possam manter a posse e o controle dos dados.”

Do mesmo modo que George W. Bush jactou-se do aumento percentual de proprietários da casa própria, o Presidente Obama poderá vangloriar-se do aumento de consultórios médicos usando prontuários eletrônicos. Não parece ter preocupado Bush o fato de muitos dos novos proprietários de casa própria subsidiados federalmente terem ido à falência, e poderá não importar a Obama que o sistema de prontuários de saúde, federalmente controlado, venha a com certeza tornar-se um desastre.

A administração avalia que a digitalização dos registros de saúde criará 212.000 empregos. Contudo, em janeiro o New York Times observou: “Até agora, os únicos empregos criados foram aqueles para um pequeno exército de lobistas que tentam obter dinheiro para tecnologia de informações de saúde.” Na melhor das hipóteses, o plano criará empregos para legiões de escriturários. A baixa qualificação requerida tornará um achincalhe a promessa segundo a qual a digitalização dos prontuários resultará em agudo decréscimo dos erros médicos, visto que o processo de entrada de dados quase certamente produzirá vasta quantidade de erros. Talvez a real criação de empregos venha a ser para agentes secretos indo aos consultórios médicos a fim de verem se ali há teclados conforme as normas.

A idéia de que os federais venham a ditar padrões de qualidade para empresas privadas é risível, considerando-se o péssimo histórico de Tio Sam – Uncle Sam em modernização da computação. O Serviço de Tributação – IRS e o FBI já incorreram, cada um deles, em despesas de biliões de dólares em vãos esforços para criar sistemas de computação não paleolíticos.. A lista de terroristas em potencial é uma piada em parte pelo fato de numerosos órgãos terem usado software diferente e criado sistemas incompatíveis para identificação de suspeitos. Lembram-se da lista errada de pessoas vigiadas no tocante a voos, que mantiveram senadores dos Estados Unidos no solo? Queremos realmente esses mesmos ases federais pontificando quanto a interações medicamentosas e administrando cirurgias cardíacas?

Um dos objetivos do plano é criar sistemas capazes de “trocar eletronicamente informações de saúde com outras fontes, e integrar informações da espécie originárias de tais fontes.” Trata-se de enorme avanço rumo a uma base de dados nacional, e a centralização dos prontuários médicos de 300 milhões de estadunidenses deve ser vista à luz dos outros dados que o governo já amealhou. Em nome de combater o terrorismo, os federais já captaram muito mais informação do que as pessoas imaginam. E a busca do Pentágono pela Ciência Total de Informações – Total Information Awareness em relação ao povo estadunidense — conjugada com o desdém do Congresso quanto a assegurar que os órgãos federais obedeçam à lei — assegura que os horrores do monitoramento apenas começaram. Se o governo tem o direito de multar médicos por estes não digitalizarem os arquivos de seus pacientes, não reivindicarão os federais também o direito de punir aqueles que se recusem a entregar os prontuários?

A equipe de Obama promete que o governo respeitará escrupulosamente a privacidade dos dados privados recentemente computadorizados — uma asseveração sinistramente reminiscente da promessa do Presidente George W. Bush em 2004 de que nenhum estadunidense seria objeto de escuta sem mandado.

Consideremos o histórico dos federais em protegerem a confidencialidade de prontuários pessoais. Os arquivos de saúde do Deputado Joe Barton (R-Texas), co-chairman do Grupo de Privacidade do Congresso – Congressional Privacy Caucus, e de outras 3.000 pessoas estavam num laptop dos Institutos Nacionais de Saúde – National Institutes of Health furtado no ano passado do porta-malas de um carro. A Administração de Veteranos – Veterans Administration – VA passou vexame em 2006, depois que arquivos de computador com os números de Previdência Social – Social Security e outras informações pessoais de mais de 20 milhões de veteranos foram furtados. Um relatório do inspetor geral da VA condenou o órgão por sua crassamente negligente atitude em relação à proteção dos prontuários médicos.

A maior traição ao segredo, entretanto, ocorreu no contexto da Lei de Portabilidade e Responsabilização Atinentes a Seguros de Saúde – Health Insurance Portability and Accountability Act de 1996, conhecida como HIPAA, a qual deixou ao Ministério da Saúde e Serviços Humanos – Department of Health and Human Services – HHS a definição de privacidade médica. Quando o HHS finalmente propôs regulamentações no final da presidência de Clinton, observou que “A revolução da informação eletrônica está transformando de tal maneira o histórico de informações de saúde que a revelação dessas informações poderá requerer apenas o aperto de um botão. Em questão de segundos, as informações mais intimamente privadas de uma pessoa poderão ser compartilhadas com centenas, milhares e até milhões de indivíduos e organizações ao mesmo tempo.” A administração Bush, entretanto, bloqueou as regulamentações de privacidade propostas e, em vez delas, emitiu regras que em grande parte dispensam o consentimento do paciente no tocante a seus próprios dados médicos. Aquinhoou assim com uma oportunidade de ouro empresas ávidas de explorar informações privadas de saúde.

O professor de direito de Harvard Richard Sobel observou: “A HIPAA é amiúde descrita como um dispositivo relativo à privacidade. Não o é. Na verdade, a HIPAA é uma regulamentação do desvelamento e, na prática, pôs a perder a tradição moral e legal de longa data de confidencialidade em relação ao paciente.” Os médicos B.K. Herman e D. Peel observaram, num artigo de 2004 intitulado “O Fim da Privacidade Médica” – “The End of Medical Privacy” que “o Juramento de Hipócrates, fundamento da ética médica e o mais importante dos direitos do paciente, foi rescindido por decreto federal.” A Fundação de Direitos de Privacidade do Paciente – Patient Privacy Rights Foundation adverte que “mais de 4 milhões de empresas, empregadores, órgãos do governo, companhias de seguros, firmas de cobrança, e todos os seus associados de negócios, que podem incluir gerentes de benefícios farmacêuticos e companhias farmacêuticas, bem como firmas de marketing e coletoras de dados” estão autorizados a ver e usar os prontuários de saúde dos indivíduos.

O problema não é se as informações a respeito de saúde pessoal que o governo exige serão objeto de abuso. É simplesmente questão de quando, onde, e como.

Os dados médicos não rastreiam simplesmente o número de vezes em que uma pessoa vai ao médico buscando cura para um nariz escorrendo ou uma topada no dedo do pé. Os prontuários médicos podem incluir detalhes de abortos de há muito tempo, impotência ou doenças transmitidas sexualmente, antidepressores e colapsos mentais, AIDS ou HIV, ou qualquer elenco de doenças. Nenhuma informação é mais essencial para a existência de uma pessoa — ou mais merecedora de discrição.

Sabemos hoje que psicólogos foram levados à prisão de Guantánamo para explorar as fraquezas dos detidos para propósito de interrogatório. Querem os milhões de estadunidenses que receberam tratamento psicológico que os agentes do governo tenham acesso a suas vulnerabilidades? Suponhamos que quando um policial pare seu carro para multar você por excesso de velocidade ele possa rapidamente recorrer a uma base de dados com seu prontuário de saúde, inclusive qualquer terapia. Antes mesmo de andar na direção de seu carro e exigir sua identificação, já saberá que você tem “um problema de relacionamento com a autoridade.”

Pesquisas mostram que dezenas de milhões de estadunidenses já se lançaram a comportamento enganoso ou evasivo por medo de suas informações médicas serem usadas contra eles. O medo de que prontuários computadorizados terminem numa base de dados federal fará muito mais gente adotar “comportamento de proteção à privacidade.” Contudo, naturalmente, a confiança existente entre médicos e pacientes é irrelevante, diante das promessas dos políticos de cuidarem de todo mundo.

A privacidade é muito lucrativa para o pessoal da elite política, que coleta milhões de dólares quando a trai. Segundo o Washington Post, o Deputado Roy Blunt (R-Mo.) e o Senador Tom Harkin (D-Iowa) já receberam, cada um, mais de um milhão de dólares em contribuições de profissionais de saúde e da indústria farmacêutica desde 2000, e cada um deles já patrocinou emendas, apoiadas pela indústria, no projeto de lei de estímulo, que solaparão a privacidade dos pacientes.

Uma torrente de contribuições de campanha das companhias de telecomunicações influenciou congressistas a conceder às companhias telefônicas imunidade retroativa, no ano passado, por violarem a lei federal, desrespeitando a privacidade de seus clientes. Se os congressistas votaram no sentido de permitir que as companhias telefônicas fizessem escuta das chamadas das pessoas e de seus emails ilegal e inconstitucionalmente, por que esperar que eles não venham também a vender nossa privacidade de saúde? Os libertários ativistas podem ter vitórias isoladas aqui e ali, mas a banca da indústria de saúde, das companhias de seguros e dos fabricantes farmacêuticos prevalecerá no final.

A computadorização dos prontuários de saúde das pessoas é um trampolim rumo ao objetivo proclamado de Obama de cobertura universal. E não pode haver cobertura universal sem submissão universal.

Eis porque alternativas privadas superiores, que vêm evolvendo rapidamente, são inaceitáveis para os federais. Tanto a Microsoft quanto a Google já oferecem às pessoas individuais a oportunidade de colocar online informações pessoais de saúde em contas seguras. O programa Caixa-Forte da Saúde – HealthVault da Microsoft e o Google Saúde – Google Health oferecem, ambos, melhor garantia de privacidade do que Tio Sam. Não houve necessidade de dezenas de biliões de dólares em subsídios ou a ameaça de infindáveis penalidades para aquelas companhias criarem e oferecerem tais produtos. Elas simplesmente deram resposta às demandas dos consumidores por seus serviços — mas não pressionaram por nenhum programa universal.

Para pacientes que preferem não ter seus dados online, observa Sue Blevins, do Instituto pela Liberdade em Saúde – Institute for Health Freedom, as informações de saúde poderiam ser armazenadas eletronicamente em “cartões que os pacientes poderiam levar consigo de médico em médico, em vez da criação de um sistema centralizado por meio do governo federal.” Isso lhes permitiria ajudar novos médicos a rapidamente tomarem ciência de seus prontuários médicos, eximindo-os de refazimento de testes. Enquanto o progresso não for paralisado por decreto federal, as companhias privadas continuarão a inovar e a oferecer soluções melhores e mais seguras. Os políticos, porém, não se conformam de os problemas serem resolvidos sem sua ajuda..

Assim, somos deixados com uma fachada de proteção à privacidade e a realidade de uma mão de ferro na coleta de dados. O decreto de Obama inelutavelmente subjugará médicos e pacientes a políticos e burocratas. Destruiremos a confidencialidade real em troca de uma promessa espúria de eficiência. E os estadunidenses ver-se-ão oprimidos com a enorme conta a pagar pela criação de seus próprios grilhões digitais.
******************
LIBERDADE CADA DIA – OUTUBRO DE 2008

Mais Fanfarronice de Bush Acerca de Liberdade
por James Bovard, Postado em 28 de janeiro de 2009
Talvez nenhum presidente estadunidense tenha glorificado a liberdade tão frequentemente quanto George W. Bush. Desde suas declarações de que os Estados Unidos haviam sido atacados por causa da liberdade, passando pelos nomes “Operação Liberdade Duradoura” – “Operation Enduring Freedom” e “Operação Liberdade Iraquiana” – “Operation Iraqi Freedom,” até suas proclamações de um “chamado” da história para defesa da liberdade, liberdade – freedom(*) rapidamente tornou-se o manto revestidor de todas as ações de Bush depois do 11/9.

(*) Comment by Murilo Leme: freedom – Freedom significa o direito de uma pessoa fazer o que quiser, tomar suas próprias decisões, e expressar suas próprias opiniões. – Macmillan. Liberty significa a freedom de uma pessoa para pensar ou comportar-se do modo como quiser e de não ser controlada pelo governo ou por outras pessoas. – Macmillan. O Heritage comenta: Sinônimos: freedom, liberty, license. Esses substantivos referem-se ao poder de agir, falar ou pensar sem restrições impostas de fora. Freedom é o termo mais geral: “Em dando freedom ao escravo, asseguramos freedom às pessoas livres” – “In giving freedom to the slave, we assure freedom to the free” Abraham Lincoln.
Liberty enfatiza o poder de livre escolha: “liberty, perfeita liberty, de pensar, sentir, fazer exatamente o que a pessoa quiser” – “liberty, perfect liberty, to think, feel, do just as one pleases” William Hazlitt.
License por vezes denota desvio deliberado de regras e práticas normalmente aplicáveis para atingir determinado efeito: licença poética – poetic license.
Frequentemente, entretanto, denota freedom indevida: “a intolerável license com a qual os jornais quebram . . . as regras do decoro” – “the intolerable license with which the newspapers break . . . the rules of decorum” Edmund Burke. O Merriam-Webster explica: sinônimos freedom, liberty, license significam o poder ou condição de agir sem compulsão. Freedom tem amplo espectro de aplicação, desde total ausência de restrição a meramente uma sensação de não ser indevidamente tolhido ou frustrado . Liberty sugere libertação de restrição ou compulsão anterior . License implica em freedom especialmente concedida ou dada, e pode conotar um abuso de freedom (em português, licenciosidade).

No último 24 de julho, o Presidente Bush comemorou a “Semana das Nações Cativas” – “Captive Nations Week” por meio de um discurso a respeito de levar em frente seu “programa de liberdade” – “freedom agenda.” A audiência cativa no Edifício federal Ronald Reagan – Ronald Reagan Building e no Centro de Comércio Internacional – International Trade Center estava repleta de burocratas, portanto não houve vaias e nem foram jogados gatos mortos no palco, a despeito dos absurdos ditos pelo presidente. Os burocratas estavam escorados por muitas levas de limusines de diplomatas estrangeiros, para dar peso ao evento.

Os presidentes estadunidenses vêm profanando verbalmente a liberdade há muito tempo, mas Bush está acelerando a espiral descendente. Ele disse à platéia:

Durante os últimos sete anos, já falamos contra abusos praticados contra os direitos humanos por regimes tirânicos tais como aqueles do Irã, Sudão, Síria e Zimbabwe. Já falamos de maneira sincera a respeito de direitos humanos com nações com as quais mantemos boas relações, como Egito, Arábia Saudita e China.
Isso de um presidente cuja ajuda externa e militar bancou muitas das piores tiranias do mundo — inclusive o Uzbequistão, onde dissidentes têm sido fervidos vivos.

Bush assegurou humanidade,

Tenho uma mensagem para todos aqueles que, em todo o mundo, definham na tirania: sei haver momentos quando parece vocês estarem sozinhos em sua luta. E vocês não estão sozinhos. Os Estados Unidos ouvem vocês. Milhões de nossos cidadãos estão ao lado de vocês, e a esperança ainda está viva — mesmo nos lugares sombrios e nos momentos trevosos.
Bush não mencionou Guantânamo nesse contexto porque, presumivelmente, aquelas pessoas que definham em confinamento solitário depois de anos de tortura já não são mais reconhecidas como seres humanos pelo governo dos Estados Unidos — pelo menos no tocante a terem quaisquer direitos que os interrogadores dos Estados Unidos tenham a obrigação de respeitar. Os detidos na Base da Força Aérea de Bagram – Bagram Air Force Base no Afeganistão analogamente não gozam de quaisquer direitos que o governo dos Estados Unidos condescenda em reconhecer.

Bush acrescentou:

Hoje renovo meu apelo pela libertação de todos os prisioneiros de consciência em todo o mundo — inclusive Ayman Nour do Egito, Aung San Suu Kyi de Burma, Oscar Biscet de Cuba, Riad Seif da Síria.
Contudo, e quanto aos 20.000 iraquianos que estão sendo mantidos prisioneiros sem acusação nos campos prisionais dos Estados Unidos no Iraque? A administração Bush firmou pé com toda força diante do governo iraquiano para manter seu direito de efetuar detenção e trancafiamento em massa de iraquianos. Simplesmente pelo fato de os nomes de tais prisioneiros serem desconhecidos é certo que eles nunca serão pronunciados nas falas presidenciais.

A única coisa necessária é que as autoridades dos Estados Unidos rotulem alguém de “suspeito” — e então a “consciência” dessa pessoa torna-se irrelevante.

Bush declarou: “Para proteger os Estados Unidos, temos que derrotar a ideologia do ódio mediante a disseminação da esperança de liberdade..”

Bush tem tentado disseminar a esperança de liberdade mediante atacar numerosos países e ameaçar atacar mais países ainda. Entretanto, a liberdade não pode ser exportada pela força sem ser subvertida internamente ao país. A guerra perpétua inevitavelmente acarreta repressão perpétua. É impossível destruir todos os alegados inimigos da liberdade no mundo sem destruir também a liberdade nos Estados Unidos. A quantidade de poderio militar que os Estados Unidos teriam que adquirir e usar — o número de ataques preventivos — a probabilidade de contra-ataques terroristas que seria explorada pelos políticos estadunidenses para efeito de repressão internamente ao país — o medo perpétuo que engolfaria o público estadunidense — tudo isso derruiria as barreiras de pergaminho deixadas como legado pelos Pais Fundadores – Founding Fathers.

A cruzada de Bush pela liberdade

Bush usou sua cruzada pela liberdade para conferir uma auréola de santidade a todos os seus açambarcamentos de poder:

Desde o 11/9, reconhecemos que estamos em guerra e precisamos deter novos ataques antes de eles acontecerem — e não esperar até que aconteçam. Portanto, estamos proporcionando a nossos profissionais de inteligência e de asseguração do cumprimento da lei as ferramentas de que precisam para deter os terroristas antes de eles atacarem novamente.

Não ficou claro se Bush estava-se referindo aos instrumentos de tortura que a CIA e os interrogadores militares vieram usando nos anos recentes ou ao programa de escuta sem mandado que a Agência de Segurança Nacional – National Security Agency levou a efeito para rastrear as chamadas telefônicas de milhões de estadunidenses. Contudo, o “proporcionando a nossos profissionais as ferramentas de que precisam” deveria causar arrepios em qualquer pessoa que tenha prestado atenção nas informações a respeito das diversas prisões secretas dos Estados Unidos espalhadas pelo mundo desde o 11/9.

Bush está estimulando os estadunidenses a julgarem as ações do governo federal unicamente por sua meta proclamada — a liberdade — e não pelo que o governo faz. A questão, porém, não é se Bush pessoalmente adora ou detesta a liberdade. A questão é que ele constantemente invoca a liberdade a fim de expandir o governo.

Ele declarou: “Temos entendido que sociedades livres não abrigam terroristas, nem lançam ataques sem provocação contra seus vizinhos.”

Visto que o Iraque não é um país vizinho, a invasão daquela nação sem provocação por Bush não conta. Entanto, independentemente de quantas nações estrangeiras ele tenha atacado sem provocação razoável, ele poderá repetir essa conversa fiada e ainda assim ser saudado por certas platéias em Washington.

Ele declarou:

Durante a Guerra Fria, as nações da Europa Central e Oriental eram parte da aliança do Pacto de Varsóvia pronta para atacar a Europa Ocidental. Hoje, a maioria daquelas nações é membro da aliança da OTAN, usando de sua liberdade para ajudar o nascimento de outras jovens democracias.
Não é de surpreender que tal retórica soe bem junto aos diplomatas estrangeiros que se apinham em Washington e gatunham favores e ajuda para seus países. Na realidade, a expansão da OTAN para o leste é uma das grandes asneiras dos dois últimos presidentes. (Bill Clinton era tão idiota neste particular quanto Bush.) É como se a OTAN não estivesse satisfeita com ver a União Soviética retirar suas tropas e abandonar suas conquistas no estrangeiro. Em vez disso, parece haver um intersse velado em insultar o urso russo. A OTAN deveria ter sido dissolvida no mesmo momento em que o Pacto de Varsóvia acabou. Em vez disso, ela teve que encontrar novos inimigos para justificar sua existência — o que foi má notícia para as mulheres e crianças da Sérvia (que a OTAN bombardeou durante meses em 1999).

Bush aceitou o desafio — ou pelo menos a hipocrisia — de Franklin Roosevelt:

Combater a desesperança é algo que consulta nossos interesses morais — os estadunidenses acreditam que daqueles a quem muito é dado, muito será exigido. Portanto, o desafio para os Estados Unidos nos anos vindouros é continuarem a ajudar pessoas nas naçõe em luta a alcançarem libertação da corrupção, libertação da doença, libertação da pobreza, libertação da fome, e libertação da tirania.

Por que o presidente não prometeu também dar aos bebês do mundo inteiro libertação das erupções da pele causadas por fraldas? A noção de que os Estados Unidos podem assegurar à população do mundo “libertação da pobreza” ou “libertação da fome” é pura atitude presunçosa retórica. É o fingimento de que o desejo — ou talvez o capricho — do presidente dos Estados Unidos é tudo o que é necessário para mudar a história. Visto, porém, que a platéia desse discurso estava atulhada de puxa-sacos, esse absurdo passou batido sem adequados retruques rudes.

Asneiras de ajuda externa

Bush vangloriou-se: “Aumentamos o orçamento da Dotação Nacional para a Democracia – National Endowment of Democracy em mais de 150 por cento desde 2001.”

Isso, entretanto, não passa de arranjar indiretamente dinheiro para o governo dos Estados Unidos. A Dotação Nacional para a Democracia – National Endowment for Democracy já fez doações que ajudaram a financiar tentativas de golpe no Haiti e na Venezuela e já adulterou resultados eleitorais em muitas outras nações. Os grupos de frente dessa dotação intervieram maciçamente nas eleições iraquianas. O governo dos Estados Unidos amiúde parece muito mais interessado em falsificar eleições do que em salvaguardar a democracia.

Bush aclamou suas reformas da ajuda externa:

Transformamos a maneira pela qual fornecemos ajuda por meio da criação da Conta do Desafio do Milênio – Millennium Challenge Account [MCA], a qual é agora uma nova abordagem da assistência ao exterior, que oferece apoio para que nações em desenvolvimento combatam a corrupção, e governem com justiça, e abram suas economias, e invistam na saúde e na educação de seus povos. O desafio dos futuros presidentes e dos futuros Congressos será assegurar que a generosidade dos Estados Unidos continue atrelada à promoção de transparência e prestação de contas e prosperidade.

Mais uma vez, isso é simplesmente mascarar de panacéia uma impostura. Praticamente todo presidente desde Eisenhower anunciou que “consertaria” a ajuda externa. Em vez disso, os trens da alegria deslancham. A MCA de Bush é pinto em comparação com outros programas de ajuda externa dos Estados Unidos — que financiam exatamente aquele tipo de comportamente que pretensamente a MCA impediria. O governo dos Estados Unidos sob Bush financiou muitos dos mais corruptos governos do mundo, inclusive Nigéria, Bangladesh, Tajiquistão, Paraguai, Indonésia, Azerbaijão e Quirguistão.

Bush concluiu seu discurso:

Neste momento mesmo, a mudança está-se agitando em lugares como Havana e Teerã. Os povos dessas nações sonham com um futuro livre, esperança de um futuro livre, e acreitam que um futuro livre virá. E virá. Que Deus esteja com eles em sua luta. Os Estados Unidos sempre estarão.
Ironicamente, as únicas pessoas com quem os Estados Unidos “sempre estarão” serão aquelas pessoas em nações da última Lista de Inimigos – Enemies List revisada de Bush.

Bush disse à platéia: “Adoro o que nosso país representa.” Em que outro lugar um filho fracassado de um presidente péssimo administrador de mandato único conseguiria atrair conexões suficientes para tornar-se a pessoa mais poderosa do mundo? Contudo, a afeição de Bush pela adoração que recebe é outro indício da degeneração política dos Estados Unidos.

James Bovard é autor de Democracia de Déficit de Atenção Attention Deficit Democracy [2006] bem como de A Traição de Bush The Bush Betrayal [2004], Direitos Perdidos Lost Rights [1994] e Terrorismo e Tirania: Pisoteamento da Liberdade, da Justiça e da Paz para Livrar o Mundo do Mal Terrorism and Tyranny: Trampling Freedom, Justice and Peace to Rid the World of Evil (Palgrave-Macmillan, setembro de 2003) e é conselheiro de políticas da Fundação Futuro de Liberdade – The Future of Freedom Foundation.
*****************

Share

, ,

Comments are closed.

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes